Instituição

  • História
  • Missão, Visão e Valores
  • Organograma
  • Órgãos Sociais
  • Documentos Institucionais

 

O CECAJUVI - Centro de Convívio e Apoio à Juventude e Idosos é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, sediada no Largo da Liberdade nº 3422 - Freguesia de Santa Leocádia e Mesquinhata, Concelho de Baião, Distrito do Porto - e está inscrita com o nº 42/00 no Livro das Associações de Solidariedade Social da Direção Geral de Acão Social, abrangendo nas suas atividades e serviços as freguesias de Santa Leocádia e Mesquinhata, Ribadouro e Ancede e Gôve.

Surgiu pela solidariedade e força de vontade de três pessoas, os sócios fundadores da Associação, o Sr. António Pereira, o Sr. Arménio Pinto e o Sr. António Joaquim de Queirós e está em funcionamento desde 2000, no Largo da Liberdade (antigo Lugar de Igreja) - Freguesia de Santa Leocádia e Mesquinhata. Teve o seu início com um Centro de Convívio e Serviço de Apoio Domiciliário, a funcionar, nessa altura, nas instalações do Salão da Junta de Freguesia local.

Em 2001, com a participação de toda a comunidade em diversas atividades de angariação de fundos, foi possível realizar-se uma pequena obra, a construção da garagem do atual edifício, para funcionar como sede social da Instituição. Com a candidatura aos Programas O.T.L., no Verão de 2001, feitas ao Instituto Português da Juventude, e com a adesão de várias crianças e jovens verificou-se a necessidade de uma nova valência de ATL – Atividades de Tempos Livres.

A 7 de Setembro de 2001 assinam-se os primeiros acordos de cooperação com o Instituto de Segurança Social para a abertura de um Centro de Convívio para 10 utentes, o Serviço de Apoio Domiciliário também para 10 utentes e a valência de ATL para 20 utentes.

Em Janeiro de 2002, inicia-se a contratação de recursos humanos (pessoal técnico e operacional) para a prestação de serviços à comunidade, pois até então, os serviços estavam assegurados por voluntários, que ainda hoje constituem uma mais-valia para o CECAJUVI e para a concretização das muitas atividades que realizamos com os nossos utentes.

Na sua abertura para a comunidade, o CECAJUVI contou ainda com uma parceria com a Cáritas Diocesana do Porto, sendo que através desta parceria foram obtidas diversas cadeiras de rodas a título de empréstimo para utentes da instituição e para a comunidade em geral.

Em Abril de 2003,o CECAJUVI inicia uma parceria com o Instituto de Segurança Social na CLA - Comissão Local de Acompanhamento do Rendimento Mínimo Garantido, agora NLI - Núcleo Local de Inserção do Rendimento Social de Inserção - ficando responsável pelo acompanhamento dos beneficiários desta Medida nas seguintes freguesias do concelho de Baião: Santa Leocádia, Mesquinhata e Ribadouro. Realizou o acompanhamento da Freguesia de Ancede durante 9 meses, no período em que teve uma Psicóloga a estágio profissional. O acompanhamento realizado no âmbito desta Medida passava pela realização de visitas domiciliárias, entrevistas de diagnóstico e acompanhamento, organização processual, e encaminhamento para entidades parceiras (Ação Social da Câmara Municipal, DREN, Serviço de Emprego, Ação Social da Segurança Social, Instituições Particulares de Solidariedade Social, Centro de Saúde, Comissão de Proteção de Crianças e Jovens), sendo uma presença assídua nas reuniões semanais da Equipa Técnica. Este acompanhamento deixou de ter lugar em 2014, por motivos que serão explicados mais à frente.

De Novembro de 2003 a Julho de 2004, o CECAJUVI foi a Entidade Gestora do Projeto PIEF (Projeto Integrado de Educação e Formação) do Programa PETI - Programa de Eliminação da Exploração do Trabalho Infantil, através do acompanhamento e disponibilização de recursos para a realização de uma Turma PIEF na Escola EB 2/3S de Baião, de forma a trabalhar a prevenção do Trabalho Infantil no nosso concelho. Este projecto teve como entidade promotora a Câmara Municipal de Baião e a intervenção focalizou-se no Agrupamento de Escolas de Ovil.

Também no ano de 2003, o CECAJUVI aderiu ao Conselho Local de Acção Social de Baião (CLASB) da Rede Social.

Em 2005, com o pedido de financiamento ao Fundo de Socorro Social, o CECAJUVI conseguiu um subsídio para a construção do Centro de Dia.

A 13 de Maio de 2006 realizou-se a inauguração do equipamento Centro de Dia, com a presença de Sua Excelência o Secretário de Estado da Segurança Social, Dr. Pedro Marques, o Diretor do Centro Distrital de Segurança Social do Porto, Dr. Luís Cunha e o Presidente da Câmara Municipal de Baião, Dr. José Luís Carneiro.

Em Setembro de 2006, foram assinados novos acordos de cooperação com o Instituto de Segurança Social e procedeu-se à abertura do Centro de Dia para 10 utentes (substituindo assim o Centro de Convívio) e ao alargamento do Serviço de Apoio Domiciliário para 20 utentes. Neste mesmo mês, devido à introdução das medidas do Ministério de Educação de prolongamento do horário escolar, fomos afectados pela diminuição do número de crianças e tivemos, infelizmente, de fechar o ATL. Foi com nostalgia que nos despedimos desta valência que trazia tanta vida à nossa nova casa, construída para acolher o melhor possível os nossos utentes, estejam eles no princípio ou no fim da vida digno.

Em 2007, a nossa Instituição foi promotora de uma candidatura ao Programa Escolhas da 3º Geração através do Projeto “Escol(h)as de Vida”, no entanto não foi aprovada.

Para colmatar o fecho da valência de ATL realizamos candidatura ao Instituto de Segurança Social para um CAFAP – Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental – proporciona um enquadramento de intervenção a nível concelhio, vocacionado para a prevenção de situações de risco social e para o apoio a crianças e jovens em situação de perigo e suas famílias. Surgiu do crescente número de pedidos de apoio nesta área, bem como das carências registadas local e regionalmente. Este serviço seria concretizando na comunidade através de equipas multidisciplinares e com a colaboração de diversos parceiros estratégicos, mas não foi aprovada por falta de verbas

O CECAJUVI também realizou uma candidatura ao PRODER, Medida 3.2 – Melhoria da Qualidade de Vida, Tipologia 3.2.2. – Serviços Básicos para a População Rural para um projeto “ Centro de Dia da Pala”, mas acabamos por desistir por não apresentar condições no espaço (escola primária da Pala) que se encontrava destinado para esse efeito.

O CECAJUVI, em 2008, realizou uma parceria com a entidade Euroconsult – Consultores de Engenharia e Gestão, Lda para a realização de atividades que visavam o desenvolvimento organizacional do CECAJUVI e a sustentabilidade de projetos de intervenção social/comunitária a implementar na comunidade. Através desta parceria desenvolveu e apostou na formação profissional, através de um Plano Interno de Formação para os seus colaboradores e beneficiários que apontavam para uma necessidade de melhorar e qualificar as suas competências pessoais e profissionais, melhoria de qualificação escolar, a abertura para o tecido empresarial, que ainda hoje se registam necessidades ao nível da qualificação dos trabalhadores. Esta necessidade é tanto mais prioritária quanto a área de negócio é mais relevante para a região, como é o caso da área de turismo, hotelaria e restauração. Desenvolveu, um curso de Educação e Formação de Adultos de Serviço de Mesa, ao abrigo do Programa Operacional Potencial Humano (POPH), na tipologia 2.2 deste. Com início em Outubro de 2008, este curso terminou em Março de 2010 e contou com várias oportunidades de abertura do grupo de formandos à comunidade de forma a promover a sua empregabilidade.

Desta parceria com a Euroconsult, também resultou uma Candidatura ao POPH – Programa Operacional de Potencial Humano, no âmbito da Medida 6.12 - para “Casa de Ancede” – para a construção de um lar para 50 idosos na Freguesia de Ancede – mas que foi indeferida por falta de um documento – constituição do direito de superfície sobre a parcela de terreno.

No ano de 2008, com as alterações introduzidas pelo Ministério da Educação à gestão dos Agrupamentos de Escolas, o CECAJUVI foi eleito uma das entidades representativas da comunidade para fazer parte Conselho Geral do Agrupamento de Escolas de Eiriz – Ancede, estando presente neste Conselho Geral até aos dias de hoje.

Em Novembro de 2009 fizemos nova revisão ao acordo do Centro de dia, de 10 para 20 utentes, sendo que tentamos sobre todos os meios poder responder às necessidades das pessoas.

Em 2009, o CECAJUVI foi convidado pela Dólmen - Cooperativa de Formação, Educação e Desenvolvimento do Baixo Tâmega a ser a entidade representativa de todas as Instituições Particulares de Solidariedade Social do Baixo Tâmega no Órgão de Gestão desta Cooperativa, que se mantem nos dias de hoje.

Neste mesmo ano, o CECAJUVI resolveu realizar uma candidatura ao Instituto de Segurança Social para uma nova valência – Centro de Noite. Havia surgido muitas solicitações e verificadas necessidades para a abertura desta resposta social. No entanto, não haveria verbas para a sua concretização.

O CECAJUVI realizou uma candidatura ao PRODER, Medida 3.2 – Melhoria da Qualidade de Vida, Tipologia 3.2.2 – Serviços Básicos para a População Rural, tendo esta sido aprovada. O nome do Projeto chamava-se “Sala de Reabilitação e Viatura para Idosos” – este projeto consistia na aquisição de equipamento de ginástica e de uma viatura para o transporte de pessoas de mobilidade reduzida para os nossos Idosos do Centro de Dia e Apoio Domiciliário, para desta forma poderem usufruir de mais um serviço prestado pela Instituição para promover a sua qualidade.

Em 2013, com a saída de uma nova Portaria que agilizava a abertura de Centros de Noite no país, voltamos a insistir junto do Instituto de Segurança Social e então realizamos uma candidatura ao PRODER, Medida 3.2 – Melhoria da Qualidade de Vida, Tipologia 3.2.2 – Serviços Básicos para a População Rural, para o Centro de Noite. Esta candidatura foi aprovada, tendo permitido criar melhores condições para os serviços desta resposta social. O acordo de cooperação foi assinado em Março de 2015 para 5 utentes, mas acabou por se proceder ao seu encerramento por falta de utentes em Setembro, apesar de todos os esforços realizados junto da comunidade e dos parceiros locais, mas as necessidades das pessoas foram-se modificando com os anos.

No ano de 2013, o CECAJUVI realizou uma candidatura ao FAS3 – Formação Ação Solidária, Projeto da CNIS – Confederação Nacional de Instituições de Solidariedade com a colaboração da Universidade Católica. O CECAJUVI foi uma das 81 instituições selecionadas a nível nacional para fazerem parte deste Projeto intitulado “ Melhorar a qualidade da gestão, garantir a sustentabilidade”. Com a participação neste projeto, todos os intervenientes e colaboradores da Instituição, receberam formação e acompanhamento através de uma entidade designada Process Advice – Consultoria, Auditoria e Assessoria de Gestão, Lda e assim realizar a implementação de um sistema de gestão de qualidade. Foi devido a este projeto e todas as alterações que iriam surgir na gestão da Instituição, que a Direção entendeu que já não haveria condições para o pessoal técnico poder continuar a realizar o acompanhamento da Medida Rendimento Social de Inserção. Assim sendo, apesar de continuar a ser parceiro, não realiza o acompanhamento de processos familiares.

Apesar do projeto FAS3 ter terminado em Outubro de 2014, continuamos a trabalhar com a Process Advice em consultoria e acompanhamento, com vista à certificação da qualidade. O nosso objetivo era a certificação em 2016, mas com a alteração da norma internacional ISO em 2015, as nossas metas tiveram de ser alteradas, tendo como objetivo a certificação em 2017.

Com o encerramento do Centro de Noite em Setembro de 2015, o CECAUVI sempre consciente das necessidades e estando atento às problemáticas sociais atuais, candidatou-se a instituição anfitriã para o acolhimento de refugiados. Neste âmbito, assinou protocolo de colaboração com a PAR – Plataforma de Apoio aos Refugiados e a JRS Portugal – Serviço Jesuíta aos Refugiados, Associação Humanitária. Este protocolo consiste no acolhimento em Portugal de refugiados e requerentes de proteção internacional, a promoção do acolhimento e apoio à integração de famílias de refugiados. O CECAJUVI insere-se, como entidade anfitriã, no projeto PAR Famílias (eixo de atuação da PAR), projeto este vocacionado para o acolhimento e integração de famílias de refugiados, tendo o CECAJUVI ficado responsável pelo acolhimento de uma família de 5 pessoas.

O ano 2017 fica marcado pela obtenção da Certificação do Sistema de Gestão da Qualidade, segundo a norma NP EN ISSO 9001:2015 no âmbito da Prestação de Serviços das respostas sociais de Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário, o que contribui para afirmação do CECAJUVI como Instituição de referência no meio em que se insere e permite realizar com qualidade a missão que nos propomos “apoiar a comunidade e contribuir para o bem-estar e a qualidade de vida da pessoa idosa, oferecendo serviços que respondam às atuais necessidades sociais”

A MISSÃO

Apoiar a comunidade e contribuir para o bem-estar e a qualidade de vida da pessoa idosa, oferecendo serviços que respondam às atuais necessidades sociais.

 

A VISÃO

Ser uma Instituição de referência a nível regional demonstrando o seu profissionalismo, mantendo um ambiente familiar e acolhedor dos seus clientes. Apoiar a comunidade e contribuir para o bem-estar e a qualidade de vida da pessoa idosa, oferecendo serviços que respondam às atuais necessidades sociais.

 

VALORES / PRINCIPIOS

- Transparência

- Profissionalismo

- Responsabilidade

- Empenho e Dedicação

- Espírito de Equipa

- Rigor

- Solidariedade

- “…Porque Somos uma Família…”

 

A POLÍTICA DO CECAJUVI

A política orientadora da atuação do CECAJUVI na sua relação com todas as partes interessadas na sua atividade é marcada globalmente por um comportamento de gestão e funcionamento pró ativo, cooperante, construtivo, transparente, rigoroso e valorizador de todas as partes, tendo em consideração quatro perspetivas de gestão:

 

PERSPETIVA DE SUSTENTABILIDADE

- Conciliar a valorização dos investimentos com preocupações de sustentabilidade económica e melhoria do seu desempenho organizacional e operacional, optando pelo rigor na gestão dos recursos e no controlo dos custos.

 

PERSPETIVA CLIENTES

- Garantir um serviço de qualidade reconhecida e procurar oferecer as melhores soluções para resposta às necessidades específicas da comunidade envolvente e respetivos utilizadores dos seus serviços, optando por posturas de relacionamento profícuo e canais de comunicação transparentes e eficazes, pelo cumprimento escrupuloso das especificações em regulamento e pelo caráter pedagógico da sua atividade e competências em matéria de ação social.

 

PERSPETIVA INTERNA

- Promover a eficiência e a qualidade operacional em total conformidade legal, optando por investimentos sustentados em infra estruturas e equipamentos que permitam a sustentabilidade da atividade,

- Assegurar um relacionamento exigente, claro e contínuo com todos os fornecedores e prestadores de serviços com impacto direto na conformidade dos serviços, por forma a garantir as adequadas condições de segurança, de saúde, de higiene, de sociabilidade e operacionais aos seus utentes e à melhor gestão dos recursos, optando por uma seleção e avaliação contínua dos seus desempenhos e pelas melhores relações de preço, qualidade, relacionamento social e diversidade de oferta.

- Garantir o cumprimento das obrigações legais e regulamentares inerentes à atividade e à relação entre os seus interlocutores.

 

PERSPETIVA DE CONHECIMENTO E APRENDIZAGEM

- Proporcionar as adequadas condições de trabalho aos colaboradores, a valorização dos seus conhecimentos e das suas competências pessoais, optando por estimular e promover a sua formação contínua, a sua valorização individual, as boas relações interpessoais e um ambiente familiar na relação com os utentes e familiares,

- Assegurar à comunidade envolvente do seu território de atuação condições sócio culturais que proporcionem a melhoria do seu bem-estar, optando por envolver ou envolver-se com os cidadãos e suas organizações representativas em dinâmicas que contribuam para a melhoria da qualidade social e para o cumprimento da missão do CECAJUVI,

- Sistematizar as análises sistemáticas ao desempenho do CECAJUVI, reportando à Direção e às Entidades Reguladoras informação consolidada e objetiva dos desempenhos passados, ações desencadeadas e perspetivas futuras, optando pela responsabilização e pelo envolvimento das suas chefias intermédias na monitorização, medição, análise e melhoria de indicadores de contínuo desempenho.

 

Política da Qualidade AQUI.

Mesa da Assembleia Geral

Presidente: Gregório António Queirós Pereira

1º Secretário: Olga Maria Azevedo Miranda Caetano

2º Secretário: José Vieira

 

Direção

Presidente: Victor Manuel Ferreira Pinto

Vice-Presidente: José Manuel Vieira Ribeiro

Secretário: Maria Albertina Pereira Vieira

Tesoureiro: Armando Joaquim Monteiro Vieira

Vogal: António Pereira Carneiro

Suplentes da Direção:

1º Maria Rosário Vasconcelos Pereira

2º Manuel Joaquim Monteiro Vieira

3º José Augusto de Castro Pinto

 

Conselho Fiscal

Presidente: Eduardo Lopes Gomes

Vogal: Cecília Maria Pereira de Matos

Secretário: Adriano Augusto Cerqueira Correia Pereira

Suplente do Conselho Fiscal:

1º Agostinho Fernando Monteiro Vieira 

Este website usa cookies para melhorar a experiência do utilizador. Ao continuar a utilizar o website, assumimos que concorda com o uso de cookies. Aceito Ler Mais